24 de set de 2010

o couro do coração


sua vida segue seca
com farinha, sem tutano
no sol que cega os poros

mandacaru cerca-lhe o paraíso
é espinhento o oásis do sertão
com poeira e pouca sombra

o único molho que lhe molha
é a pimenta no seu olho
e o barrento coração

23 de set de 2010

peixe-voador


aquele peixe
de tão fora-d’água
(pelo cardume)

adaptou-se,
criou próprias asas:
voa bem alto