11 de jan de 2008

coração furado

André Taveira (http://www.flickr.com/photos/andretaveira/)

ai! coração morno...
que não sabe se fervilha
ou se termina frio duma vez

em plenos dias em que o sol se demora em fugir
e o vento arde quente em maresia

dias em que se vê a cidade se agitando
e o barulho mais e mais aumentando;
dias em que novas caras brotam
e as cores começam a variar
(revelando velhas raças)

o negócio é cá dentro...
aquela malemolência
aquele marasmo
aquele inverno

campo vasto sem um pé de vento
não ouve-se o eco nem do pensamento

êta, coração enferrujado...
tá feito panela furada
que não sabe o que é ferver?

3 comentários:

Juliana Valis disse...

OLÁ, LINDO POEMA ! PARABÉNS PELO SEU EXCELENTE BLOG LITERÁRIO ! Saudações, Juliana S. Valis, do overmundo

CONEXÃO POESIA disse...

Olá, Carlos, muito legal teu poema, coração furado, que bela imagem poética! Gostei do nome e do blog, um abraço.

Adroaldo Bauer disse...

Panelaço por fervura, já!
Poemaço de coração fervente
Urgente que se o remende.
(belos trabalhos, bela verve)