23 de fev de 2008

pelos buracos

imagem de Richard Alexander Caraballo ( http://www.flickr.com/photos/minusbaby )


espiava pelos panos
pelo orifício dos trincos
de onde se via um mundo louco
parque da mente em que reino e brinco

tropecei em belo tombo
fui para dentro da cena
daquela cena fiz quilombo
palco dos sonhos de almas obscenas

por acaso ali entrei
passos em falso arrisquei
e fui ouvindo loas surdas
prata que paga audácia absurda

e uma chave enfim trancou-me
dentro da cena forjada
com minha pele escancarada
para os buracos das fechaduras

3 comentários:

Isa Lorena disse...

"dias em que novas caras brotam
e as cores começam a variar"

Bonitos seus versos...
Vim agradecer seu comentário... Mas eu sou apenas uma tentativa ininterrupta de ser poeta!
:)
Passa depois aqui ó:
www.poeticacotidiana.wordpress.com
e deixa mais de suas impressões por lá.
:)

Isa Lorena disse...

Então.. visitemo-nos com mais constância a partir de então.
Mais obrigada e um xêro também!

Max da Fonseca disse...

Não atua, é nato