19 de jan de 2010

passo a fundo


o compasso do mundo
é um compasso miúdo,
é quem roda o moinho
a momentos moídos

pica-pau, bate-estaca,
corta fundo a navalha,
sangrador não estanca
oh, meu Deus! vem, me valha!

rodo a toque de caixa,
atravesso por brechas,
escorrego nos ralos
e me escondo no chão

4 comentários:

Naty disse...

Show de palavras, rimas e com sentidos.

Não é à toa que sigo seu blog.
Tens um jeito diferente de se expressar e que me agrada.

Parabéns e continue postando.

Doroni Hilgenberg disse...

Que beleza de poema
Um verdadeiro hino a água
bjs

Bianca Feijó disse...

Eu sempre achei que voce tinha que ter um blog.
Sempre escreveu e escreve tão bem, é inteligente, de humor apurado...

Lindos textos e poemas, esse Passo a Fundo tem uma concatenação de palavras que poucos conseguem...

A.D.O.R.E.I saber que tem um blog!
...mais sucesso!

Beeeijos!Xero!

Cate Estrela* disse...

Olá tudo bem! Comecei a seguir seu blog porque você escreve de uma maneira tão interessante que me encantou.
Inteligente poema!

Abraço*