5 de mar de 2009

meridiano


uma porta
sem parede ou muro
sepultada em pé
como morta

encontrei-a
como indagação
sem respostas
num lago de areia

um sinal de parada
bem no meio do meu caminho
na metade da ingrata trilha
que levava pro nada

chance entreaberta
dada em pleno sol a pino

atravessá-la
ou manter-me ao matutino?

2 comentários:

Mah disse...

Belo poema, senhor.

Joe_Brazuca disse...

atravesse !...quem sabe outros portais surgirão...

Mas...fica a incógnita lancinante da qeustão eternizada em suas linhas...

muito bom !