5 de dez de 2007

desistentes

Haidee Lima (http://www.flickr.com/people/haidee/)


piso nesta terra
e, em cada falso passo, sinto
o sucinto cadafalso
que deseja me engolir

piso neste chão
-- concreto piso da ilusão --,
onde os pés já não encontram
as raízes dessa gente

relíquias entulhadas das raças,
riquezas ruídas do povo

preparem um golpe de novo
que instigue a nação a cantar

terra de tantas ditaduras,
dite uma nova forma de rimar,
de cantar, sacudir, remexer
(ou votar)

dite de novo o bê-a-bá,
porque a gente vacilou e se perdeu
na tristeza de se ver desmoronar,
na tristeza de perder e desistir

Um comentário:

Hugo disse...

Muito bons de ler os teus poemas. São gostosos de dizer, de ritmo e surpresa envolventes. Em especial, gostei do "desistentes". Demais.
Abracos