16 de fev de 2007

a aranha e a ex-amiga



a aranha fica ali na maresia
na marca de seus vinte e poucos meses
tecendo os mesmos fios várias vezes
sem crer que já esgotou sua valia

espera da vizinha (e ex-amiga)
-- que fica só três palmos, logo cima --
as sobras de um mosquito ou uma formiga
cativos de um vigor que 'inda vitima

(a rixa tem suas causas no terreno
lutado e disputado pelas duas,
herdado de um conquistador moreno
que não soube dar conta e foi às ruas)

até que em certo dia uma vassoura
perita em descobrir qualquer sujeira
varreu e despejou duas solteiras:
aranha e ex-amiga -- ex-moradoras.

2 comentários:

jjleandro disse...

Gostei, Carlão.
Perito na rima. Coitadas deles, hem? Bom humor para explicar as pequenas coisas da vida, percebidas apenas pelos poetas.

abcs

reidamali disse...

essa aqui foi uma das que mais gostei!!!!