13 de fev de 2007

brasília vermelha



teu rosto nunca foi estranho,
mas teu sotaque me é incerto:
às vezes és mineiro fanho,
às vezes um carioca esperto.

que o teu vestuário me confunde
não tem nem graça mais dizer...
um dia vestes de desbunde,
noutro trajas gala e chiquê!

até a seca do sertão,
que sempre foi de afugentar,
atapetou nesse avião
e fez-se a marca do lugar.

e veja que evito fender
tua sina com dólar e cheque,
pois sei que não era o querer
nos planos de seu Kubitschek!

Nenhum comentário: