2 de fev de 2007

Noite mar



(Imagem de Osvaldo Barreto)


Texto I

A noite dorme à cabeceira do mar,
apenas as estrelas,
a natureza dos sonhos,
apenas o veludo da atmosfera,
compreendem,
como irmãos, como amigos
a noite dorme à cabeceira do mar...

Marcos André Carvalho Lins


Texto II

espreito calado
o amor taciturno
que exala tristeza
ao meu coração.

assédios marinhos
desnudam a noite,
despertam estrelas,
defloram luares.

e eu, denso (embargado),
soluço embriagado,
cometo delitos
sem reprovações;

e vou tatuar-me
no ventre do mar,
ao lado da lua,
com quem quero estar.

Carlos ETC


(obra de arte tripla)

5 comentários:

Benny Franklin disse...

Carlos: sua parceria com o Barreto
transformou sua poetica em almas expostas, tiro no escuro.
Parabens!
Benny.

Lavinia Saad disse...

E outra:

uma chupeta vermelha ou
uma banana amarela ou
uma dobra de cortina ou
sete perobas na noite, cada
uma coisa que sai da cor
e te visita nas entranhas

Lavinia Saad disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Osvaldo Barreto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Osvaldo Barreto disse...

Carlos, Obrigado pela sua generosidade. Estou realmente feliz em poder ver as minhas imagens no seu blog. OBRIGADO!!!

Lavínia me distrai muito com o seu comentário. Ele é muito hilário e inteligente. Realmente você é um vulcão. Parabéns!!!

Carlão, abraços!!!!