21 de jul de 2017

dos caminhos


fingia pescar,
mas apenas caçava garrafas…
e, engarrafando seus sonhos,
lançava de volta as garrafas ao mar

{tudo convém:
os sonhos se guiam sozinhos
--não carecem de velas ou bússolas--
e o mar --favorável-- conhece os destinos}

os sonhos seguiam sozinhos
e conheciam os pés a atracar

2 comentários:

Nadine Granad disse...

Esse, já lido, mas precisava repetir os aplausos!

*APLAUSOS*

Beijos! =)

Carlos ETC disse...

Duplamente agradecido, minha mui querida poeta!