14 de jul de 2017

via-te láctea


lia-te os lábios
como quem lê
mensagens dos astros
indecifráveis pra mim

no cosmo da nuca
sem tons de cosmético,
na abóbada celeste
da pálida pele,
um leito de conjunções estelares
(salpicos quem sabe de chocolate)
eu via-te láctea

**

tão perto, pertinho
mas distante anos-luz
agora só olho
seus pingos de luz
que caem no chão

2 comentários:

Nadine Granad disse...

Lindo, lindo!

Doce como achocolatado!
Quente como deve ser!

Beijos! =)

Carlos ETC disse...

Gotas de cacau pra você!
Um cheiro!